segunda-feira, outubro 25, 2021

Auxílio emergencial: 5,4 milhões têm o benefício cortado

O auxílio emergencial é um dos principais benefícios pagos no Brasil, desde sua criação ainda em 2020. O programa foi criado pelo Governo Federal para amparar financeiramente a população, afetada pela pandemia do Covid-19. Lembrando que muitos perderam seus empregos, tiveram seus salários modificados ou foram até mesmo forçados a fecharem seus empreendimentos.

E mais do que isso, para a edição do auxílio deste ano, tivemos muitas mudanças de regras. Alguma delas envolvendo principalmente as normas de quem pode ou não participar. E desde então, o governo federal tem feito um pente fino para eliminar os casos de fraude.

Governo anuncia novos cortes no auxílio emergencial

Desde abril deste ano, no pagamento da primeira parcela do auxílio emergencial, o Governo Federal vem suspendendo o pagamento do benefício para milhares de pessoas. As estimativas são de que mais de 25 milhões de brasileiros tenham ficado de fora para este ano. Sendo que o Dataprev está sendo a empresa responsável pelas análises.

Auxílio emergencial
Auxílio emergencial: 5,4 milhões têm o benefício cortado

E neste mês de outubro, que será o último pagamento a ser realizado pela entidade federal, tivemos mais de 5,4 milhões de beneficiários cortados do projeto. E agora, estes não poderão mais receber os valores que estavam programados.

Regras do auxílio emergencial

O Governo Federal, em todos os meses deste ano, tem realizado pentes finos em cima dos participantes. Isso porque, ano passado, em mais de 67 milhões de beneficiários, constataram diversos casos de recebimento fraudulentos. E então, a entidade tem cortado todos aqueles que não se encaixam em seus requisitos.

Como por exemplo, o de não ter mais de três salários mínimos de renda familiar mensal, o de não poder ser registrado em carteira, e principalmente o de não receber nenhum outro benefício do governo. A única exceção aqui vai para o Bolsa Família, que é considerado vital para o estado de sobrevivência da família.

Benefício será prorrogado ou suspenso?

Na verdade, existem muitas dúvidas a respeito da continuação do auxílio emergencial, para o futuro próximo. Em 2020, o mesmo foi de imenso sucesso, e neste ano, seguiu exatamente do mesmo modo. Para agora, o benefício deveria ter sido pago em apenas quatro parcelas, de abril até julho. Entretanto, devido ao atraso no quadro de vacinações no Brasil, lá pelo mês de junho, o Governo Federal ficou preocupado com a situação. Até porque, não poderiam liberar a população para voltarem as ruas e trabalhar, e disso, tiveram que abrir mais três parcelas.

Com isso, o auxílio emergencial foi prorrogado até o mês de outubro. E agora, existe um rumor por parte do Ministério da Economia que o projeto não retorne mais após a última parcela ser quitada. Isso principalmente porque o governo pode utilizar as verbas públicas que são destinadas neste projeto para conseguir arcar com a reforma do Bolsa Família. Disso, o popular auxílio Brasil poderia vir a público, caso aprovado. Entretanto, se o projeto for reprovado, ainda há uma pequena chance de o auxílio novamente voltar a ser prorrogado. Entretanto, desta vez, o auxílio emergencial seria jogado até abril do ano que vem. E apesar disso, os valores a serem pagos seriam mantidos idênticos.

Pedro Henrique
Pedro Henrique Rhormes é formado em Comunicação Social – Jornalismo, pela Universidade Nove de Julho, e Letras – Tradução e Interpretação, pela Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU). Trabalhou como repórter no FOX Sports. Atualmente é editor do E.C. produzindo conteúdo sobre economia e direitos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui